Ads

Últimas Notícias

O que é Reggaeton?



Você pode até não saber o que é Reggaeton, mais com certeza já dançou, ouviu ou curtiu várias música de tal estilo. Os hits... “Radinho de Pilha”, “Tá solteira”, “Dança do Cavalo” e a tal da “Piriguete” que toca muito nas rádios e porta-malas de carros turbinados com alto falantes e tweeters e também as diversas versões que os Dj’s fazem e que esquentam as pistas de dança ou até mesmo músicas como: "Amigo Fura Olho”, “Dominado”, “Amor, Amor” "Chegou o Verão" "Gasolina" "Sexo quiero Yo" entre outras...

Então, vamos saber um pouco mais desse gênero que vem ganhando tanto espaço pelo mundo.

O ritmo criado em Panamá e ganhado sustentabilidade e peso nas ruas de “Puerto Rico” (Porto Rico), lugar onde já vieram grandes fenômenos como os Menudos, o Reggaeton hoje é um estilo que se espalhou por todo o mundo, e cantado nos mais diversos idiomas. Estilo este, que é uma vertente do Reggae comforte influência do hip-hop e dancehall que incendiou e continua a incendiar as pistas latinas, americanas, europeias e até japonesas.
Surpreende agora, ao sair dos guetos para o topo das paradas americanas - Billboard, Grammy Latino, MTV Awards - e influenciar o “maistream” - como o disco da colombiana Shakira, “Fijación Oral”, reggaeton de ponta. Depois foi a vez de Jennifer Lopez voltar às origens, desembarcando em San Juan, capital de Porto Rico, ao lado do rapper Pharell Williams. J.Lo e Pharell gravaram nos estúdios da Luny Tunes, a produtora mais poderosa do reggaeton. Aos poucos, a coisa chega ao Brasil. Gasolina, do rapper Daddy Yankee, foi sucesso indiscutível nas rádios e uma das músicas mais baixadas como toque de celular. E até a cantora "Wanessa Camargo”, atualmente conhecia apenas como WANESSA também importou e incorporou o gênero, no seu CD “W” cantando seu hit “Amor, Amor” que mesmo depois de 7 anos de lançamento ainda emplaca nas paradas e em 2013 fez parte da trilha sonora da novela das 9 "Amor a vida" .

Tudo começou, no final dos anos 80, mais ou menos na mesma época em que, Thaíde e DJ Hum lançavam os pilares do movimento hip hop brasileiro, na Estação São Bento do Metrô em São Paulo. As raízes do reggaeton estão no Panamá, como invenção do rapper El General. Era o "spanish reggae". O reggae cantado em espanhol fez um certo sucesso e logo foi importado para clubes de Porto Rico, o The Noise. Lá, aspirantes a rapper improvisavam em cima dos discos de reggae vindos do Panamá, sob a batuta da trinca de DJs do reggaeton - DJ Nelson, Mr Goldy e DJ Playero. Foram aqueles garotos que aperfeiçoaram o ritmo e o levaram ao sucesso, se tornando as estrelas de hoje - como Daddy Yankee, Tony Touch, Tempo, Vico C.

A mensagem das ruas é a mesma - a luta de classes pós-moderna, a pobreza nas esquinas, o convívio com as drogas, bandidagem, a vida na periferia, o sexo -, só muda a base. E é justamente a base do reggaeton que chama a atenção e faz do ritmo algo de fato contagiante. Os caras pegaram o sex appeal do próprio dancehall jamaicano e misturaram à pegada latina, principalmente a salsa. A base suaviza os vocais nervosos dos rappers, que cantam em um inacreditável splanglish. Dito isso, não é difícil de imaginar como são os bailes: praticamente iguais aos bailes funk do Rio. Muita popozuda, muita calça jeans de cintura baixa. Os artistas, que parecem ter deixado a inocência e caído de vez no “showbizz”, dão o que o povo quer - são muitas as letras de duplo sentido. O documentário Chosen Few, que reconstrói a história dos ex-garotos pobres de San Juan, levanta a polêmica sobre a associação entre o reggaeton e o sexo. Rappers e produtores dão de ombros. "Quando você é pobre, a única coisa que te faz feliz, de graça, é o sexo. O que mais se pode fazer sem gastar dinheiro?", questiona o produtor Luny Tunes. Críticas à parte, os rappers porto-riquenhos, agora estabelecidos como astros pop e com contratos com as maiores gravadoras do mundo, acreditam que o reggaeton amplifica a voz do povo latino. Mas, o maior alvo aí, é a indústria cultural americana que eles conseguiram tomar de assalto.

É isso aí, viva o Reggaeton!!!




Esse texto se baseia em uma visão sobre o gênero do período em que esta matéria foi escrita.
Conheça mais sobre o gênero através deste link abaixo.