Ads

Últimas Notícias

ENTREVISTA COM: RICK BONADIO


Rick Bonadio, um dos maiores produtores do Brasil, fala com exclusividade com o nosso site sobre o Reggaeton no Brasil e no Mundo. Suas produções levaram o total de 104 prêmios, começando com Momonas Assassinas em 1995 até seus mais recentes prêmios com a cantora Manu Gavassi, da qual levou duas premiações em 2012. Dentre as 104, 8 foram Grammy Latino, premiação essa que em 2015 foi comentarista no SBT. Já foi jurado de 4 programas musicais e afomentou a cultura pop no Brasil. 



1. Qual a sensação de poder ser comentarista do SBT na transmissão do Latin Grammy, premiação essa que já lhe rendeu 8 premiações para as suas produções?


Foi muito bom pois já trabalhei com o mercado latino na Virgin Records e na Universal Music onde eu cuidava também do repertório latino mundial. Isso me deu uma boa experiência e nessa premiação eu pude acompanhar os artistas que vi desde o começo surgirem para o mercado.


2. O Reggaeton foi a grande estrela na premiação do Latin Grammy esse ano, o que dizer sobre o cenário do Reggaeton atualmente?


O estilo é muito forte no mundo latino, sem dúvida o Reggaeton movimenta mais investimentos do que qualquer outro seguimento e os artistas no momento dominam as paradas Latinas. 


3. Você conhece o cenário do Reggaeton Brasileiro? O que dizer sobre? Pra você o que falta pro Reggaeton pegar de vez no Brasil e por que o estilo ainda é pouco difundido e reconhecido no país?


Eu acho que o espanhol dificulta as coisas aqui no Brasil. O brasileiro por um motive que não sei, não gosta muito de músicas cantadas em espanhol. A garotada tem uma certa rejeição a língua. O Brasil é muito influenciado pelos Estados Unidos e o idioma inglês é a preferência quando se trata de música pop. Para o estilo funcionar no Brasil precisamos de muitos artistas fazendo Reggaeton em português e com letras boas. Acho isso viável. 


4. Tem vontade de produzir algum artista internacional de Reggaeton? Se sim, qual?


Daddy Yankee, rs… O maior.


5. Você é um produtor que aposta muito em novidades, já pensou em produzir um artista, dupla ou grupo de reggaeton brasileiro? Qual impacto teria esse tipo de projeto no nosso cenário musical nacional?


Sim , estou apenas esperando aparecer alguém que eu acredite ter potencial de sucesso nacional. Um grande Hit levaria a um movimento grande no mercado e abriria as portas para o Reggaeton crescer no Brasil.


6. Muitos reggaetons são produzidos mascarados em outros estilos, se tornando um produto genérico, as vezes imperceptível e extremamente diversificado, muitos se quer citam o ritmo, o que levam à muitos artistas a não abraçarem a bandeira e também a muitos ouvintes a não identificarem o estilo. Qual impacto disso no cenário popular? Corre o risco de o Reggaeton virar um estilo apenas esporádico no Brasil?


No momento eu diria que é o que está acontecendo.


7. Na sua opinião, o que um artista de reggaeton brasileiro precisa ter e como ele se destacaria em um cenário dominado pelo Sertanejo, Funk e Pagode?


Precisa de letras fortes e de muita personalidade. Além disso precisa encontrar uma gravadora/empresário que invista no marketing para que esse artista possa aparecer de verdade.


8. Por ainda não existir atualmente na mídia uma figura forte no Brasil que levante a bandeira do Reggaeton, você acredita que os artistas internacionais ainda não tenham acertados em suas parcerias? Qual colaboração você acredita que daria certo e fortaleceria o Reggaeton no Brasil?


Eu acredito que se um grande artista no Brasil , por exemplo a Ivete, gravasse com o Daddy Yankee seria uma forma de mostrar o estilo no Brasil. Vamos torcer para que algum grande nome brasileiro queira gravar Reggaeton! 


9. Você já formou o grupo Rouge, que teve muita influência Latina, e foi o maior grupo pop de sucesso do Brasil, inclusive a banda levou pra casa 26 premiações, dentre eles o Latin Grammy sendo 5 apenas com a canção Zouk ‘Brilha la luna’ e 4 com ‘Ragatanga’. Você recentemente formou o grupo Girls que também seguia essas influências latinas, inclusive a ultima música de trabalho do extinto grupo foi um Reggaeton chamado Ramón do qual não só foi produzida como também foi composta por você. O que levou a extinção repentina do grupo e quais inspirações para compor esse Reggaeton? Além dessa canção, produziu algum outro Reggaeton? Pensa em compor mais nesse estilo?


Eu gosto muito da levada do Reggaeton e nas minhas produções pops sempre uso em algumas músicas nos discos. Funciona sempre e o público aceita muito, mesmo sem ser um Reggaeton que vai fundo no estilo. Sempre que tiver chance vou compor e gravar o estilo e torço para que o público brasileiro curta e queira consumir mais Reggaeton. 



10.Tanto na música Ramon, quanto nos comentários do Grammy Latino, você mostrou ter total domínio sobre o cenário atual do Reggaeton, transparecendo uma certa admiração pelo estilo. Existe algum projeto visando incentivar o Reggaeton no Brasil? Quais cantores de Reggaeton você acompanha e gosta?


Eu acompanho de longe, gosto de ouvir tudo que sai de novo. Tenho um amigo que dirige uma gravadora muito forte no Reggaeton , a Machete Music. Seu nome é Gustavo Lópes e sempre nos falamos sobre as novidades e quando estou nos EUA nos encontramos. Em algum momento vamos trazer artistas grandes para o Brasil, estou esperando o momento certo. 



11. Uma pergunta que apenas você pode responder… Qual estilo musical de fato é o hit RAGATANGA?


Não sei bem…rs. Usei muito da Dance Music no arranjo, mas também tem influência latina. Essa eu juro que não sei explicar. Acho que o estilo é REGGAETANGA…rs… 


12. O também produtor Arnaldo Saccomani, afirmou em rede nacional que a palavra Reggaeton no Brasil não vingava, o que você tem a dizer sobre essa afirmação? Você acredita na necessidade de se criar um outro nome para o estilo ganhar força aqui dentro? Você acredita que tecnicamente o estilo Reggaeton nunca será popular no Brasil? Ou acredita que tudo é uma questão de tempo e que um dia o Reggaeton no Brasil será devidamente reconhecido?


Tudo pode vingar no Brasil. Tudo mesmo. Depende dos artistas serem criativos e talentosos. 


13. Como produtor, o que tem pra falar aos artistas de reggaeton brasileiro e aos fãs brasileiros de reggaeton?


Continuem trabalhando e curtindo o som que vocês gostam, não se preocupem com o mercado pois tudo muda muito rápido e se surgirem boas músicas virão os sucessos e com isso a força do estilo crescerá. 



14. Quais são seus novos projetos para 2016? 


Muitos…rs.

Vitor Kley - Pop.
Maria Brasil, Teen.
Dnaipes, Rock.
Deuber e Leandro, Sertanejo.
Camila Maia, Mpb.
Audax, e Mariana Rios, Pop Dance
Jonatas Faro, Dance.
Dubeat, Hip-hop.

E muitos outros …
E o de sempre: Procurar novos talentos em todos os estilos.



Entrevista feita por:
Dermeval Neves


Quer saber mais sobre o trabalho do RICK BONADIO? Visite o site dele:

Gostou dessa entrevista? Comente e Compartilhe e nos diga quem mais você quer que o nosso site entreviste?